Área do Cliente

11 2597-1404

contato@fisconnect.com.br

11 97173-1404

WhatsApp

Contato

Clientes
 

Artigos

A Fechada de Cerco da e-Financeira

A Fechada de Cerco da e-Financeira

A e-Financeira, que substitui a Declaração de Informação sobre Movimentação Financeira, ainda vem causando muito debate sobre o sigilo bancário das pessoas

Em 2015, a Receita Federal do Brasil (RFB), por meio da Instrução Normativa nº 1.571, criou uma nova obrigação acessória: a e-Financeira, válida para fatos ocorridos a partir de 1º de dezembro daquele ano. Com a medida, bancos, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, segurado­ras, administradoras de planos de saúde e demais instituições financeiras ficam obrigados a enviar semestralmente à RFB toda a movimentação financeira de pessoas físicas e jurídicas.

Na prática, qualquer movimentação acima de R$ 2 mil, para pessoas físicas, deve ser comunicada. Já para as empresas o valor é de R$ 6 mil.

O prazo estipulado para envio da declaração é até o último dia útil dos meses de fevereiro e agosto. A primeira entrega, porém, sofreu adiamento: ficou para 31 de maio último.

Objetivos

Segundo o sócio na área tributária da TozziniFreire Advogados, Mauricio Braga Chapinoti, com a e-Financeira a RFB vai conhecer a movimentação detalhada de cada contribuinte e confrontar os valores informados com os declarados pelos cidadãos e pelas empresas. “Essa obrigação, que deverá ser transmitida ao Sistema Público de Escrituração Digital, atende às regras do Foreing Account Tax Compliance Act (FATCA na sigla em inglês, Lei de Cumprimento Fiscal para Contas no Estrangeiro), por conta da celebração de acordo entre os governos do Brasil e dos Estados Unidos”.

Devem constar da e-Financeira o saldo no último dia útil do ano de qualquer conta de depósito ou poupança; somas mensais a crédito e débito de aplicações financeiras; aquisições de moedas estrangeiras; rendimentos brutos, entre outros.

Na avaliação do consultor do Centro de Orientação Fiscal (Cenofisco), Lázaro Rosa da Silva, a e-Financeira é um aperfeiçoamento da Declaração de Informação sobre Movimentação Financeira (Dimof), de 2008. “Desde então, a exposição do brasileiro já é fato incontestável.”

Em função desta exigência, Silva recomenda aos contribuintes se adequarem o mais rapidamente possível aos novos cruzamentos ele­trôni­cos, os quais já fazem parte da realidade brasileira, e informar os dados corretos na declaração do Imposto de Renda, em se tratando de pessoas físicas, e na Escrituração Contábil Fiscal, no caso das empresas. “Qualquer informação equivocada ou inconsistente entre a renda e as movimentações bancárias será vista como um pretexto para posteriores questionamentos das autoridades fiscais”, adverte.

Sigilo

Tanto Silva quanto Chapinoti concordam que a e-Financeira acaba com o sigilo bancário dos contribuintes, mas lembram que o Supremo Tribunal Federal declarou constitucional a regra que permite à RFB monitorar movimentações financeiras de pessoas físicas e jurídicas sem autorização judicial. A decisão representa um alívio para o fisco que, por meio de nota, esclareceu que tal declaração é fundamental para conter a sonegação e outros crimes financeiros. “A Constituição Federal faculta à administração tributária identificar, respeitados os direitos individuais nos termos da lei, o patrimônio, os rendimentos e as atividades econô­micas dos contribuintes. Tal comando constitucional nada mais é do que garantir meios para que a missão da Administração Tributária seja efetiva, isto é, que todos cumpram as leis tributárias”, diz o comunicado.

O órgão pontua ainda que a e-Financeira, além de viabilizar a troca de informações com os Estados Unidos, possibilitará, a partir de 2018, o intercâmbio com aproxi­madamente 100 países em cumprimento ao Common Reporting Standard (Padrão Comum de Prestação de Informações, em tradução livre), pa­trocinado pelo G20 no âmbito do Fórum Global sobre Transparência e Troca de Informações Tributárias. Entretanto, para Cha­pinoti, a RFB extrapola os li­mites constitucionais e não tem capacidade de manter as informações dos con­tribuintes em sigilo: “Há muitas falhas na proteção de dados dos contribuintes e, com a e-Finan­ceira, a população ficará cada vez mais exposta a sequestros, crime contra o patrimônio, roubos, furtos e todo tipo de violência”, aler­ta.

 

Raio x da eFinanceira

O que é: Projeto do Sped por meio do qual serão informadas saldos e movimentações financeiras mensais superiores a R$ 2 mil (pessoas físicas) ou R$ 6 mil (pessoas jurídicas).

Quem está obrigado: bancos, seguradoras, planos de saúde, distribuidora de títulos e valores mobiliários e demais instituições financeiras.

Legislação: Instrução Normativa nº 1.571/15.

Prazos de entrega: último dia útil de fevereiro (dados relativos ao segundo semestre do ano anterior) e último dia útil de agosto (dados relativos ao primeiro semestre do ano em curso).

Fonte: edição n° 103 da Contas em Revista

Outros artigos que selecionamos para você:

Contas em Revista
Contas em Revista

Texto extraído da edição n° 103 da Contas em Revista, uma publicação bimestral da Quarup Editorial, cujo conteúdo relevante traz informações e atualizações sobre gestão, RH, obrigações fiscais e tecnologia. É oferecida gratuitamente aos clientes da FISCONNECT. Veja todas as outras edições no nosso blog.

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.

Por que contratar a FISCONNECT?

Presença

O tempo todo ao seu lado quando você precisar

Parceria

Olhar atento sobre seu negócio e suas necessidades

Localização

Local de fácil acesso para te receber quando você precisar

Segurança

Apólice de seguro de responsabilidade civil para seu conforto e segurança

Eficácia

Sempre ofereceremos ao menos uma solução para seu problema

Experiência

Mais de 20 anos de atuação das áreas fiscal e tributária.

Atualização

Profissionais treinados e em constante atualização técnica

Tecnologia

Tecnologia de ponta a serviço do seu negócio